quarta-feira, 15 de setembro de 2021

APELANDO A UMA ABORDAGEM INESPERADA!


A B O R D A G E M

 

Não posso mais a esta paixão resistir

De tão obcecado pela tua imagem

A toda hora na minha mente a surgir

Insistente como se fosse uma miragem.

 

Até duvido se mereça conseguir

Esta graça duma esperançosa abordagem

Sem qualquer risco venha de fato medir

Toda altura da tua nobre linhagem.

 

Perdoa, mas tenho audácia de pedir,

Em teu coração atrevida hospedagem,

Para que alguma razão possa emergir

 

Dissipando certa falsa roupagem

Camuflada que não se perceba existir

Qualquer indício de possível vantagem.

 

José Alberto de Souza

POA, 15/SET/2021.


 

sexta-feira, 13 de agosto de 2021

TREZE OITO DOIS ZERO VINTE E UM : É HOJE!*


Sexta feira, treze de agosto

Deste ano de dois mil e vinte um,

Não vai ser dia de desgosto
Aqui neste nosso olodum.
Dim-dim... Dim-dim...
Saravá, Pai Joaquim!
Um banho de ervas vamos tomar,
Se benzer com galho de arruda.
Para este nosso corpo fechar,
Queremos pedir tua ajuda.
Dim-dim... Dim-dim...
Saravá, Pai Joaquim!
Muita cachaça com pipoca
Para nosso santo saborear
E também a galinha choca
Na encruzilhada vamos deixar.
Dim-dim... Dim-dim...
Saravá, Pai Joaquim!
Ele vai nos dar bastante sorte
Para o resto da nossa vida.
Como nosso santo forte,
Responderá a nossa batida,
Dim-dim... Dim-dim... 
Saravá, Pai Joaquim!

terça-feira, 10 de agosto de 2021

POETA GAROEIRO : RETRIBUINDO GENTILEZA




D E C A N T A Ç Ã O

 

Lá muito distante, muito além do infinito,

Pretendo reencontrar todos ancestrais,

Com trajetória finda, já virei mito,

Agora plano nas alturas celestiais

 

Nesta visão, parece que daqui eu fito

Seres queridos em procissões colossais

Para receber um descendente bendito

Que não poderiam imaginar jamais

 

E eu fico pensando, até acredito

Como nossas vidas sempre são imortais

Continuamente a celebrar um rito

 

De se perpetuar em preces magistrais

Nas quais fico envolvido e me agito

Libertando minh ‘alma desses lodaçais...

 

JOSÉ ALBERTO DE SOUZA

POA, 10/Ago./2021.


 

sábado, 24 de julho de 2021

EN TAL FATALIDAD QUE ESTOY CAUTIVO DE TI



 

Mira, qué destino

Conocerte

Como te conoci

 

Mira, qué destino

Enamorarme

Encantado de ti

 

Mira, qué destino

Me hizo tropezar

Sorprendido asi

 

Ahora soy un muñeco

Tan manipulado

Por tu voluntad

Y no me queda más

Que estar cautivo de ti

En tal fatalidad.

 

José Alberto de Souza

POA, 24/jun./2021.

domingo, 4 de julho de 2021

*SÓ ISTO PARA EXPLICAR TAL DESENCONTRO *


 

O nosso amor não é deste pobre mundo,

Tanto desencontro só para explicar

Todas essas lágrimas que na face inundo

Que nem rios a escorrerem para o mar

 

Umidade vinda dum desejo profundo

No poço das aflições, voltam a jorrar

Sobre este vale de colheitas fecundo

Para que se possa nele ilusão plantar

 

Cheguei aqui como mísero vagabundo

Querendo achar um rumo para trilhar

Neste desespero de ser meditabundo

 

E procuro certa maneira de andar

Que não denuncie este velho moribundo

Sem querer afinal hoje vim me tornar.

 

José Alberto de Souza,

POA 04/jul./2021

quinta-feira, 17 de junho de 2021

SERÁ QUE VALE ALGUM PEDIDO DE DESCULPA

 














D E S C O M P O S T U R A

 

Existem pessoas que pensam em voz alta

Sem importarem esperadas consequências

No decorrer da passagem pela ribalta

Sensibilizando alheias consciências

 

Quando se dão conta dessa tremenda falta

Já limitaram esgotadas paciências

Nesta consideração que se sobressalta

Em tempos que jamais permitem negligências

 

Pois teimosa dúvida sempre nos assalta

Para lembrar de costumeiras evidências

Que apenas robusto orgulho nos exalta

 

E terminamos a mercê de providências

De buscar uma tonalidade que esmalta

Estas reais e humilhantes aparências...

 

José Alberto de Souza

POA, 17/jun./2021.

terça-feira, 8 de junho de 2021

PARA DESFRUTAR PLENAMENTE NOSSA HORA

 

I N S T A N T E   P R I V I L E G I A D O


Eu creio que nada mais é do que momento

Aquela tão decantada felicidade

E o resto apenas se torna lamento

Por não reconhecer essa oportunidade

 

Poderíamos poupar muito sofrimento

Se ainda tivéssemos mais habilidade

Para evitar todo simples constrangimento

Comprometendo elo de qualquer amizade

 

E padecendo traumático rompimento

Por não entender aquela realidade

Duma existência tratada no fragmento

 

Nossa mente latejando de piedade

Neste bárbaro e terrível sentimento

Que nos desnuda contra própria vontade...

 

José Alberto de Souza

POA, 06/jun./2021

sábado, 5 de junho de 2021

A PEQUENA LUIZA - GIGANTE NA COMPETIÇÃO

 


A T R A Ç Ã O   P E L A S   Á G U A S

 

Sentir este vento refrescante no rosto,

Velas enfunadas balançando o barco,

Corpo mudando tão rápido seu encosto

Sem nunca adernar naquele primeiro marco

 

E lá vou eu numa raia com todo gosto,

Nem reparo se na vestimenta me encharco,

Mais tenho de manter um conquistado posto,

Querendo superar todo recurso parco

 

Nada me demove se ainda estou disposto

A batalhar pela tradição do monarco

Destes brilhantes ares e mares composto

 

Outra competição na mente já remarco

Pois bastante desafio julgo exposto

Até chegar a hora em que desembarco...


José Alberto de Souza

POA, 05/jun./ 2021.

 



sexta-feira, 14 de maio de 2021

PARA DEFINIR: COMO CASTIGO OU EQUÍVOCO?


 

D E C I S Ã O   I N E S P E R A D A

 

Éramos um par de jovens apaixonados

Que de repente o destino aproximou

E por algum tempo estivemos ligados

Pois a fatal atração nunca nos deixou

 

A distância que nos mantinha afastados,

Na infinita espera a gente nem pensou

Pelo desejo de sermos sempre lembrados

Com as dificuldades por que se passou

 

Obstáculos que não foram superados,

Mais uma vez o futuro nos colocou

Aquela cerca para ficar separados

 

Novos caminhos sem querer ele traçou

Como objetivos a serem trilhados,

Esta decisão equivocada tomou...

 

José Alberto de Souza,

POA, 13/MAIO/2021.

sexta-feira, 23 de abril de 2021

O OLHAR INDISCRETO NUM LAGO ENCANTADO


 Eram uns olhos tão tristes,

rasgados, de arrepiar a alma

e eu ali apenas contemplando

sua beleza, sua nudez primitiva

a se banhar no lago encantado...

 

Aquelas horas se passaram,

se tornaram minutos, segundos,

décimos, centésimos, milésimos...

 

Que decorresse a eternidade,

que devia permanecer ali,

que me esperasse estática,

que em seguida eu viria,

mas que sim eu voltaria...