segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Vai firme, Grande Chefe Annuseck!

Creio que o tema já tenha sido – técnica e didaticamente – abordado pelo conceituado radialista Edemar Annuseck, em sua série de comentários sobre a grave situação da rádio AM no Brasil. Nesses comentários, ele tem colocado a terceirização e o aluguel de espaço como efeitos danosos nas programações atuais das emissoras pela ganância de seus proprietários, apenas detentores de concessões de um bem público, que deixam de assumir a sua grande responsabilidade social. Entre outras questões, ele nos acena com a possibilidade de nossas emissoras oferecerem programações diferenciadas numa mesma freqüência devido à implantação do rádio digital. Assim o ouvinte teria oportunidade de optar, ao mesmo tempo, através dos canais de comunicação disponíveis pelo programa que mais atendesse a seu gosto – musical, esporte, jornalismo ou cultural. É bem verdade que, com o advento da televisão, o rádio tem perdido bastante da sua importância como meio de comunicação social e se tornado um alvo fácil para os aproveitadores de ocasião, ainda mais favorecido pelas benesses do poder político. A pergunta ainda permanece gritante no ar: o que foi feito de concreto até agora para que o nosso Rádio se adaptasse aos novos tempos? Aqui em Porto Alegre é voz corrente dizer-se que as nossas principais emissoras costumam basear suas programações no binômio Jornalismo & Esporte. Como exemplo, cito o encerramento das jornadas esportivas prolongando-se por mais de três horas e roubando espaço nobre de qualquer programação mais voltada ao entretenimento e à cultura. Os índices de audiência estão aí, apontando picos inesperados nas noites de sábados e nas manhãs de domingo, justamente naqueles dias não contemplados com o esporte. Recentemente, o professor catedrático em comunicações de Florianópolis-SC, Ricardo Medeiros, passou-nos a infausta notícia de que morre o rádio-teatro em Porto Alegre, através da comunicação de Mirna Spritzer, professora de interpretação teatral e responsável pelo espaço O Rádio é o Palco, da Rádio FM Cultura de Porto Alegre, que esteve no ar durante 9 anos. Exemplo típico de uma programação que vinha sendo apresentada por uma emissora estatal que não teve condições de dar continuidade a uma excelente formatação da arte radiofônica, devido ao corte de gastos públicos executado pelo governo estadual. Quer dizer: aquilo que as nossas rádios comerciais poderiam levar a seus ouvintes como alternativa de entretenimento, escamoteava-se em algum nicho do dial sem qualquer divulgação e interesse da nossa mídia de levar ao conhecimento do público em geral. Encerro essas considerações, sublinhando as palavras de Edemar Annuseck – rádio se faz com profissionais na Direção Artística, na Publicidade, no Jornalismo, no Esporte, na Programação e no Microfone.
O locutor esportivo Edemar Annuseck (foto), já está de malas prontas e retorna à cidade de São Paulo, onde fez grande sucesso nos anos 70 e 80 na Rádio Jovem Pan (AM 620 kHz).Desta vez o destino do famoso locutor esportivo é a Rádio Record (AM 1.000 kHz - São Paulo/SP). A partir de janeiro de 2009, Edemar Annuseck passará a integrar a equipe de esportes da emissora. A informação veio através de uma conversa com o próprio Edemar, que nos contou em primeira mão a novidade. Desejamos bom retorno!!!
(in Bastidores do Rádio, de 18/11/2008)

4 comentários:

Anônimo disse...

José Alberto de Souza nosso (sim nosso) Poeta das Águas Doces.
Cada manifestação sua a meu respeito meu deixa cada vez mais emocionado quando acesso seu brilhante blog. Confesso que não tenho nem palavras para lhe agradecer. O que tenho é a certeza de ter encontrado mais um amigo, sério, dedicado e apaixonado pelas coisas que faz.
Do fundo do coração o meu muito obrigado e que DEUS continue lhe dando essa inspiração divina.
Um grande abraço
Edemar Annuseck

Gilberto disse...

Caro Souza:

Importante a tua participação na divulgação desses fatos tanto quanto a posição do Edemar. Não o conhecia mas depois da revelação que fizeste passo a admirá-lo.

JASouza. disse...

Caros amigos:

Eis aí um Monstro Sagrado da radiofonia nacional, no meu entender um cidadão de fé que nos dá uma lição de vida acreditando na sua competência e no seu valor, emergindo da adversidade a que foram relegados muitos profissionais inativos em razão da crise atravessada pela Rádio Clube Paranaense e retomando o caminho da sua verdadeira vocação.

Nesta postagem, homenageamos Edemar Annuseck reproduzindo o comentário inserido em matéria publicada em Caros Ouvintes, que foi início dessa nossa correspondência virtual até o presente momento.

JASaudações.

Hunder Everto Corrêa disse...

PARABÉNS PELO TEU TRABALHO E BOM GOSTO. LEMBRANÇAS, LEMBRANÇAS PARA MATAR A SAUDADE. UM GRANDE ABRAÇO DO HUNDER.