sexta-feira, 23 de julho de 2010

Massageando o ego da nossa gente

Na quarta-feira, dia 21/07/2010, às 19 horas, na jaguarense Casa de Cultura, aconteceu o lançamento da coletânea “Olhares sobre Jaguarão”, organizada pelos escritores Eduardo Álvares de Souza Soares e Sérgio da Costa Franco. Na ocasião, fizeram-se ouvir, além de Souza Soares, as palavras da vereadora Thiara Gimenez Oliveira, atual presidente da Câmara Municipal daquela cidade, ressaltando a importância para a cultura local dos depoimentos inseridos naquela obra.
Apesar da impossibilidade de comparecimento do conterrâneo radicado em Porto Alegre, Costa Franco, foi muito concorrida a sessão de autógrafos com o outro organizador Eduardo Álvares Souza Soares, que se desdobrou incansavelmente para atender a extensa fila de pessoas procurando registrar dedicatória na obra distribuída gratuitamente a todos que se fizeram presentes na cerimônia.
Composta de duas partes, a primeira intitulada “O Olhar dos Forasteiros” trata da passagem de ilustres viajantes por Jaguarão, enquanto a segunda “O Olhar dos Conterrâneos” diz respeito às impressões de nascidos naquela localidade ou que lá estiveram radicados há algum tempo. Nas páginas desse livro, desfilam nomes conhecidíssimos como Gastão de Orléans (Conde D’Eu). Canto e Mello, Rachel de Queiroz, Carlos Raphael Guimaraens, Lothar Hessel, Barbosa Lessa, Luiz e Pedro Vergara, Carlos Barbosa Gonçalves, Pedro Leite Villas Boas e outros tantos.
Há tempos, Souza Soares me solicitou para que descobrisse uma crônica publicada na Última Página da revista O Cruzeiro, então redigida pela escritora Rachel de Queiroz, na qual externava seus encantos por Jaguarão na “Viagem de Volta” da Argentina. Primeiramente, andei navegando pela Internet e cheguei a encontrar algumas edições digitalizadas daquele semanário, porém, em nenhuma delas aparecia esse escrito.
Já tinha até desistido dessa busca, quando decidi contatar Sérgio da Costa Franco que me deu a sugestão de procurar na coleção existente no Museu Hipólito José da Costa. Inclusive situando a época do presidente Perón, com o peso baixo causando grande afluxo de turistas brasileiros àquela república do Prata. Comecei folheando, trimestre a trimestre, de trás para diante, a partir de 1953, até que me deparei com a data de 12/07/1952. Por fim apareceu a margarida e só foi o trabalho de copiar e mandar para o Eduardo que não prescindiria da mesma, de jeito nenhum, para concluir a coletânea.
Além disso, tive o grande prazer da acolhida por parte dos organizadores da coletânea de duas crônicas que me pareciam se encaixar perfeitamente no espírito da obra e que mereciam ser analisadas para publicação. Uma delas intitulada “Reminiscências”, manuscrita, chegou às minhas mãos ofertada pelo grande amigo Sheldon Neves e a outra “Jaguarão do Passado”, de autoria do velho companheiro das grandes noitadas Pedro Bartholomeu Ribeiro, chamou-me atenção quando da sua publicação original, em dezembro de 1978, comemorativa do 40º. Aniversário do jornal “A Folha”, pela riqueza dos fatos pitorescos relatados.
A idéia da Câmara de Vereadores de Jaguarão foi de patrocinar “Olhares sobre Jaguarão” para distribuição às bibliotecas e escolas, não obstante já se avente uma nova edição para venda ao público em geral, o que fazemos votos para que se concretize o mais breve possível, pois se trata de um excelente resgate para levantar a auto-estima dos conterrâneos, hoje tão orgulhosos pela repercussão da nossa urbe como modelo de patrimônio arquitetônico preservado.

7 comentários:

Gilberto disse...

Caro Souza:

Parabens pelo resgate do texto que enaltece a tua amada Jaguarão.

rodrigueiro disse...

uito mais que resgate à auto-estima, parabenizo pela rica e criteriosa pesquisa histórica.
A consciência de que fazemos história com nossos grandes ou pequenos gestos deveria ser mandamento primeiro na vida de todos nós. Orgulha-te Jaguarão de todos teus filhos. Uma vez mais: parabéns!!!

Cabeda disse...

Meu caro Souza,
Só o teu carinho por Jaguarão foi capaz de incitar-te à peregrinação atrás da crônica da Rachel.
Cumprimentos pelo sucesso.
Cumprimentos a Jaguarão pela oportunidade de (re)ler o elogio da consagrada escritora.
Abraços
Cabeda

Anônimo disse...

Tio
Estou louca pra ler o livro e viajar nas lembranças dessa terra amada. Me orgulho em saber que o senhor contribuiu com um resgate importante nessa obra.Um beijo.

Edemar Annuseck disse...

Jaguarão é mesmo extraordinária. E você como seu mais lídimo representante não se furta a divulgá-la, tenho certeza com alegria redobrada no coração.
Nós (você e eu) somos do tempos como diria Luis Felipe Scolari "se amarrava cachorro com linguiça".
Esse tempo que não volta mais deixou em todos nós as mais lindas recordações.

Jacqueline disse...

Parabéns, divulgar com tanto carinho um lugar que se ama só faz bem! Abraços!

Confraria dos poetas de Jaguarão disse...

Parabéns pelo trabalho na consecução dessa obra tão valiosa para nossa cidade!