segunda-feira, 4 de julho de 2016

Como seria defendido Qorpo Santo em dias atuais

"José Joaquim de Campos Leão, autonomeado Qorpo-Santo, meu cliente, comprovadamente é um homem de intelecto elevado a tal ponto que pode ser confundido com loucura. Ademais, a autora do processo, Sr.ª Inácia de Campos Leão, aparenta desimportar-se com o bem-estar do marido, atribuindo maior relevância e consideração aos bens de meu cliente em detrimento da liberdade deste.
Qorpo-Santo demonstra capacidade plena para exercer todos os deveres e direitos da vida civil e, apesar de seus hábitos peculiares, jamais apresentou qualquer risco à sociedade. Sendo assim, é possível evidenciar o total descabimento deste pedido de interdição.
Os fatos anteriores, apresentados pelos testemunhos de Juvêncio, fiel criado de Qorpo-Santo, e Eusébio, amigo próximo do réu, servem apenas para ratificar a sanidade de José Joaquim de Campos Leão perante a comunidade.
Se, em algum momento, seu comportamento possa ter levado qualquer pessoa a crer na loucura de meu cliente, talvez tenha sido pela discrepância de suas ações. Quando um homem teme por sua segurança e não tem outro meio de defendê-la, o melhor que pode fazer é trancafiar-se em sua própria casa, cenário em que Qorpo-Santo decidiu tornar uma janela sua porta de entrada e saída.
Quanto aos delírios que tanto Inácia quanto Juvêncio afirmam ter presenciado podem ser tratados por um psiquiatra capaz em sua função, não havendo necessidade de internar um homem plenamente apto a viver em sociedade."

8 comentários:

Mariana Vieira de Souza disse...

Oi, vô!
Como eu te disse mais cedo, esse trabalho tinha como objetivo que eu escrevesse um texto atuando como advogada de uma das personagens do livro. Eu escolhi defender Qorpo-Santo de uma ação de interdição proposta por sua esposa, Inácia. No entanto, mesmo que a história se passe em época diferente, usei critérios atuais para defendê-lo.

Kie disse...

Que espetacular defensora a sua neta Mariana!
Grande abraço.
Kie

Luiz Antonio de Assis Brasil disse...

Mas olha, Souza!
Que peça bem escrita! Tem elegância e força argumentativa, sem faltar, é claro, uma solidariedade comovente pela pessoa que foi Qorpo-Santo. Parabéns, a Mariana vai longe! Gostei muito. Quem dera que nossos jovens tivessem esse grau de competência na língua portuguesa e, ainda, essa dose de humanidade.
Abraço forte,
Assis Brasil

CAPS Santo Afonso disse...

Olá, Souza!
Parabéns! Tem talento essa herdeira!
Abs
Laerte

Helena Ortiz disse...

Que beleza de texto, Souza, em essência e linguagem. Tua Mariana já é escritora. Parabéns. Tu mereces.
Grande abraço
Helena

Gilberto disse...

Parabéns Mariana, muito bem escrito como todas as tuas obras, e reconhecidamente pelo próprio autor!
Que orgulho!!!

Hunder Correa disse...

Parabéns, José Alberto. Gostei muito do texto da Mariana, Um abraço.Hunder

Anônimo disse...

Sr. José Alberto, adorei poder entrar em contato, através do texto da Mariana. Parabéns pelo brilhantismo da neta. Mariana redige muito bem e possui a acuidade necessária para uma boa advogada. Um cordial abraço. Ignez