sexta-feira, 22 de agosto de 2008

FOLHETIM (para Gislaine)

Perdoa-me se não te curti como devia
tanto e tanto sempre quís eu te compreender;
buscava fazer-te feliz e não podia,
nem sabes o que me custou esse padecer.
**********
E o tempo que ia passando, mais e mais eu insistia
neste tão estranho devaneio de te querer:
bastava simplificar mas eu não sabia
assim bem humana me fosses parecer.
**********
Primavera já marca lindo calendário:
azaléias são passadas em nosso jardim,
estão como recordações num relicário.
**********
Com ternura que representas para mim,
registro nas páginas deste simples diário
mais um capítulo do nosso folhetim.
**********

4 comentários:

Hunder Everto Corrêa disse...

Lindo, José Alberto.
Gostei muito da tua poesia e da dedicação da mesma. É uma daas formas de declarar o amor que está contigo e dentro de ti. Parabéns e um abraço.
Hunder.

cabeda disse...

Muito bem, seu Souza!
Gostei de vê-lo rendendo sincera homenagems à sua distinta senhora!

GUILHERME disse...

Caro amigo Souza:

Teu delicado folhetim me faz lembrar de uma das bem-aventuranças do Novo Testamento, qual seja: "Bem-aventurados os que têm puro o coração".
Que bela demonstração de pureza de sentimento!
Guilherme Braga.

poetavadio disse...

"... nos bares, nas calçadas e nas ruas/ as madrugadas andam nuas, sem serestas, sem violões. Poetas, seresteiros, cantores...não deixem nuas nossas madrugadas, sem canções enluaradas, sem boêmias ilusões (A. Rodrigueiro)". Parabéns Souza, continue. Abraços