quinta-feira, 23 de outubro de 2008

24 de outubro de 1910

*************
Carta publicada na coluna Mr. Grilo, Turismo Caderno Especial, Edição nº. 216 do jornal Kronika, de Porto Alegre, 2ª. Quinzena de Setembro de 1990.
***************** Escreve o leitor desta coluna José Alberto de Souza:
*************
“Toda noite de quinta-feira, a convite de seu presidente Léo Remião, o Glória Tênis Clube (N.S. Graças, 207) acolhe um grupo de músicos e cantores, amantes da mais genuína música popular brasileira – o Clube do Choro. Fundado em novembro do ano passado, tal entidade agora se prepara para promover uma das suas mais inesquecíveis noitadas no próximo dia 25 de outubro a fim de homenagear um dos seus mais ilustres freqüentadores. **************************************************** Nesta data estará completando 80 anos um dos quatro filhos do casal Maria Antonia e Avelino Faustino Silva, nascido e criado no bairro Floresta da nossa Capital. Verdadeira legenda da boemia porto-alegrense que se orgulha de suas origens humildes: o balconista das bancas 8 e 9 do Mercado Público, o engarrafador de bebidas na firma Moraes Velhinho, o pugilista que interrompeu a carreira por falar mais alto a sua sensibilidade artística. **************************************************** Testemunha viva de uma época áurea impregnada de romantismo, de grandes serviços prestados à nossa cultura popular. Seu nome, muito ligado ao saudoso Lupicínio Rodrigues, insere-se com destaque na vida boêmia que nos legou figuras ímpares como Ney Orestes, Bororó, Sady Nolasco, Nuno Roland, Alcides Gonçalves, Ovídio Chaves e outros tantos. ****************************************************
O assunto não se esgotaria por aqui a merecer tratados que melhor analisassem a expressividade e a participação no movimento musical riograndense daquele estreante da Audição de Águas Caxambu às 20h45min do dia 12 de dezembro de 1934, na Rádio Sociedade Gaúcha – o nosso querido ORLANDO Johnson SILVA."

2 comentários:

Gilberto disse...

Caro Souza:

Muito bem lembrada a figura do nosso saudoso amigo Johnson que diga-se de passagem merece uma biografia redigida pelo nosso amigo jornalista Marcello Campos.

Aguinaldo Bechelli disse...

Grata surpresa, bom José Alberto, ao receber notícias do consagrado Johnson, que tive o prqzer de conhecer e estar com ele algumas vezes aí em Porto Alegre, graças a apresentação do meu amigo e compadre Jessé Silva.
Eta Johnson ! Voz de baixo profundo. Sabia cantar e interpretgar "OLD MAN RIVER" da trilha sonora da imortal obra 'O VELHO E O MAR" de Ernest Hemingway.