domingo, 13 de novembro de 2016

O QUE APARECEU NAQUELA BOLA DE CRISTAL



São Bernardo do Campo, 11 de novembro de 1966.
Meu querido filho Jerônimo:
Hoje tive a grata satisfação de te avistar pela primeira vez através da vidraça da Maternidade local.
Nem queiras saber da indescritível emoção que tomou conta de mim naquele momento.
És o primeiro rebento de uma feliz união que se estreita ainda mais com a tua alvissareira chegada.
Por isso, eu quero que encontre em nosso lar humilde um pouco de harmonia e bastante carinho para que possas crescer sadiamente e receber uma formação moral adequada.
Meu filho, eu não espero nada de mais para ti – apenas que aprendas a respeitar e amar o teu próximo e que deixes o teu quinhão despretensioso para a comunidade em que viveres.
Naturalmente, terás os teus defeitos e as tuas virtudes, porém, espero que assimiles humildemente tudo aquilo que te representar algo de proveitoso e útil na constituição do teu caráter, quando for oferecido por alguém que realmente te estimar.
O que a vida nos proporciona – prazeres, alegrias, preocupações, tristezas e outras coisas mais – compensa todo o sacrifício que a ela se dedicar, pois um instante sequer que tenhamos de amor e felicidade vale mais do que todas as amarguras que nos embaracem a existência.
Que sejas um simples e um forte para que possas enfrentar com dignidade e honradez este mundo te esperando lá fora, são os desejos deste teu pai hoje alegre e contente contigo.

6 comentários:

Garoeiro disse...

Caríssimo Amigo,
11.11.1966...
1976...
1986...
1996...
2006...
2016: 50 anos de amor...

Ou, não?

Abraço,

Garoeiro

Patricia Almeida disse...

Linda mensagem! Beijos, prima Patrícia

Gilberto disse...

Caríssimo:

Neste texto conseguiste definir com precisão a emoção e a alegria que nos causa o nascimento de um filho.
Lembro que quando nasceram as minhas filhas a emoção era tanta que tive o ímpeto de sair pela rua anunciando aos quatro ventos esse momento de felicidade.
Parabéns

Anônimo disse...

Amigo Souza:
Parabéns pela bela mensagem datada há 50 anos atrás, quando do nascimento do filhote e que permanece válida até hoje.
Há 50 anos já tinhas este dom de bem escrever.
Fraternalmente,
Teixeira

Luiz Eduardo Fontes Mello de Almeida disse...

Bonito texto.

Anônimo disse...

Caro José Alberto,
Que bonita homenagem a teu filho Jeronimo.... Ontem telefonei para te cumprimentar mas estavas no Hospital fazendo exames. Falei com tua esposa que, casualmente estava, também, de aniversário. Um abraço e felicidades a toda a família.
Hunder