sábado, 5 de janeiro de 2008

...ou de como o alegretense Carvalho reabilitou o cavalo Jaburu

Pois agora o Eulálio me conta o causo daquele tenente-farmecêutico que costumava participar das competições hípicas daquela cidade, montando o cavalo Jaburu, o qual sempre empacava no 3º obstáculo e fazia com que o cavaleiro voasse sobre o pescoço do animal.
Havia na Escola uma prova que consistia em colocar todos os alunos da Cavalaria correndo atrás da tropa de matungos solta campo a fora para agarrar cada um a sua respectiva montaria e depois conduzí-la até o local onde pegariam o buçal, o freio, a manta, a sela, a cilha e a sobrecilha. Assim, os dez primeiros a se aprontarem classificavam-se para competir na equipe de hipismo da Escola, com direito a escolher a cavalgadura segundo a órdem de chegada, que se encerrava quando o último alcançava a 10ª sobrecilha - eram só dez e, desta forma, os demais sobravam para assistir a corrida de obstáculos.
Diz o Eulálio que se atrasou para alcançar a décima sobrecilha, pois um índio guapo de Alegrete, o Carvalho, já tinha tomado conta da mesma.Para escolha desses felizardos havia apenas 10 cavalos de competição, um dos quais era o Jaburu - e adivinhem qual é o que sobrou para o alegretense Carvalho?
O Carvalho, na dúvida, ainda propôs ao Eulálio para que ficasse com a sua sobrecilha e este prontamente declinou da honraria. Não restou àquele outra alternativa se não montar no Jaburu, já antevendo o fantástico vôo por sobre o pescoço do animal.
Apesar de castigado, este alegretense para bobo não servia e a primeira idéia que lhe ocorreu foi a de soltar um pouco as rédeas, dando maior liberdade de movimentos para o Jaburú.Aí aconteceu a façanha do Jaburu fazer pista limpa, superando todos obstáculos e chegando em 2º lugar, apenas perdendo a primeira posição no tempo da prova.
A galera delirou e o Carvalho virou herói, tendo em vista que um aluno tinha conduzido o Jaburu de uma forma que o tenente-farmacêutico nunca tinha conseguido levar. Carregado nos braços da torcida, o Carvalho recebeu a consagração do mergulho no bebedouro dos cavalos.

Um comentário:

Lino disse...

Linda narrativa do mundo encatado do Reino Equino. Por falar em cavalos, deixo registrado aqui um fato do Alegrete. Certa vez um conhecido fotógrafo local, Sr. Marcant (tenente da reserva), foi tirar a foto e um cavalo, num quartel local (hoje 6º RCB) e o animal se assustou, ficando de pé, equilibrado só nas patas traseiras. A foto saiu assim. Até hoje, é requisitada para ilustrar galeirias de arte e locais típicos da cavalaria. Ou seja. Foi um 'por acaso', que deu certo.
Abraços
jorn. Lino Tavares