quinta-feira, 10 de julho de 2008

13 de junho de 1928

Hardy Vedana & Jazz Band com Glênio Reis, TV Piratini/1960.
No último sábado, amigos e admiradores do musicólogo Hardy Vedana reuniram-se no Ypiranga Futebol Clube, a fim de lhe oferecer um almoço comemorativo à passagem de seus 80 anos. Na presença de sua esposa Dª. Gila, das filhas Clarisse e Fernanda, dos netos Mateus, Daniel e Vitória e da bisneta Gabriela, o homenageado recebeu os cumprimentos de Soleno Almeida, Darcy Alves, Maria Helena & Ivomar, Anamaria Bolzoni, Raquel & Marcello, Flavinha, Gilberto Coutinho, Plauto Cruz, Franklin Cunha, Luiz Carlos Cunha, Eulálio Delmar Faria, Juarez Fonseca, Luiz Fonseca, Helenice & Waldyr, Carlos Boccanera Koch, Laci, Jayme Lubianca, Glênio Reis, Ruth Regina, Gislaine & José Alberto, Valtinho e tantos outros que ali compareceram. Num ambiente agradável, a festa prolongou-se até às 17 horas, através de um clima de confraternização em que não faltou a esperada apresentação artística, onde se salientaram os cantores Coutinho, Maria Helena Andrade, Ruth Regina, Maria Edith, Flavinha, Waldyr Justi e Bernardo, bem como o solo de trombone de Laci e mais a roda de choro do regional formado por Plauto Cruz (flauta), Darci Alves (violão), Cebolinha (cavaquinho), Soleno (pandeiro) e depois Valtinho (pandeiro). Uma verdadeira seresta que foi registrada pelos cineastas Cláudia Ávila & Amarildo Dutra para o documentário em preparo Viola Enluada. ********************************************************************** Natural de Erechim, Ardy Antonio Vedana (seu verdadeiro nome) veio para Porto Alegre em 1943. Aqui transitou pelas emissoras da época, primeiro frequentando os programas de auditório que as mesmas costumavam apresentar e, posteriormente, trabalhando como copista e como clarinetista do Regional do Paraná, inclusive exercendo essas atividades simultâneamente na Farroupilha e na Gaúcha. Memória viva da nossa história musical, tem-se destacado como grande pesquisador e colecionador de aproximadamente de 8.000 partituras, algumas delas manuscritas e a mais antiga datada de 1835. Grande estudioso do jazz, a sua biblioteca dispões de um alentado número de volumes, abrangendo todo o panorama da música nas Américas. Além disso, tem o seu passatempo predileto de colecionar carteiras de cigarro que já atinge um total de 12.000 unidades. Nessa rica vivência, tornou-se escritor ao natural, já tendo editadas cinco obras, as quais constituem rica fonte de pesquisa para estudiosos do assunto, a saber: Quem é quem em Porto Alegre, Jazz em Porto Alegre, A História do Choro, Otávio Dutra na História da Música de Porto Alegre e o álbum recentemente publicado sobre A Elétrica e os Discos Gaúcho. ********************************************************************** Através daquelas pessoas que compareceram ao Ypiranguinha, tentou-se resgatar um merecido reconhecimento de que a nossa sociedade e as nossas entidades de classe são devedoras para com Hardy Vedana, grande batalhador pela implantação do Museu da Imagem e do Som/RS.

2 comentários:

Márcio Gobatto disse...

Prezado Souza

Infelizmente não pude comparecer a esta bela homenagem ao Maestro Vedana, mas deixo aqui registrado o meu reconhecimento por todos estes anos de trabalho em prol da música e dos músicos gaúchos, trabalho este sintetizado na luta pela construção do Museu do Imagem e do Som. Precisamos de mais pessoas idealistas como o sr. Hardy Vedana, para continuar a batalha pela nossa memória e pela construção da nossa identidade nacional.

Saudações, Vedana !

Gilmar Eitelwein disse...

Infelizmente, Vedana nos deixou neste domingo (14/6/2009), um dia após completar 81 anos. Também não pude estar presente nesta bela e justa homenegam feita nas comemorações de seus 80 anos, em 2008. Vai aqui meu abraço de despedida e minha lembrança do grande músico e pesquisador, que engrandeceu a música brasileira durante sua existência. Tive o privilégio de trabalhar com ele em dois livros e lamento, apenas, que ele não tenha conseguido publicar o enorme acervo que possuía.

Gilmar Eitelwein