quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Uma Legenda Viva do Futebol Gaúcho


Alcides Carlos de Moraes nasceu em Jaguarão, no dia 24 de maio de 1916. Começou jogando, aos 12 anos como “filhote”, de centro-avante no Esporte Clube Cruzeiro do Sul, de sua cidade natal. Em 1936, jogou no Clube Atlético Bancário, de Pelotas. No ano seguinte, estreava no Esporte Clube Pelotas, no qual foi campeão em 1939 (triunfo de 3x1 sobre o Brasil). Chegou a ser pretendido pelo Botafogo, do Rio de Janeiro, sem avançar nas negociações pela necessidade de abandonar o futebol devido a um emprego que lhe ofereceram de Fiel de Armazém, quando da inauguração do Porto de Pelotas em 1940. Como não emplacou nesse cargo, também perdeu aquela oportunidade de atuar no futebol carioca. 
Legenda viva do futebol gaúcho, entre 1940 e 1941, Alcides Moraes deixou marcante passagem como goleiro titular do selecionado do Rio Grande do Sul. Defesas arrojadas e incrível senso de colocação foram evidentes qualidades que levaram esse craque do interior a ser convocado para aquela seleção, onde pontificavam nomes como Tesourinha, Rui, Massinha, Foguinho, Carlitos, Noronha, Alvim, Dario, Vaz, Tavares e o treinador Telêmaco Frazão de Lima. “Quanto ao Massinha fomos moleque em Jaguarão” – assim ele se refere ao conterrâneo e acirrado rival em vários clássicos Bra-Pel. Também foi Diretor de Futebol do E. C. Pelotas em 1945, sagrando-se bicampeão citadino (na final com o Brasil, de virada por 2x1), campeão do interior e vice do Estado.
Era um excelente cobrador de faltas, numa época em que os arqueiros não se arriscavam muito fora da sua área. No dia 30 de março de 1941 realizava-se um Bra-Pel, válido pelo Torneio Início, que terminou empatado em 0x0, com a decisão indo para os pênaltis. Ramon, pelo Brasil, fez quatro golos e Alcides defendeu o quinto pênalti. Na sua vez, o Pelotas desperdiçou a primeira cobrança e então Alcides pediu para bater e marcou os outros quatro, empatando a série que na época não era alternada como agora. Na decisão de três pênaltis para cada lado, mais uma vez esbanjando categoria, esse nosso conterrâneo não perdoou com três acertos e ainda defendeu os dois pênaltis do Brasil, garantindo para o Pelotas o título daquele Torneio. Alcides Moraes certamente deveria ser o Rogério Ceni daqueles tempos.
Encerrou a carreira esportiva em abril de 1942 para assumir suas funções na Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul. Transferido para São Luiz Gonzaga em 1943, chegou a jogar de atacante no Ipiranga, daquela cidade. Como passatempo, dedicou-se aos campos de golfe e ao tênis. Casou-se, em Pelotas no dia 23 de junho de 1944, com Dª. Alda Oliveira de Moraes (de quem enviuvou em 2008),  tendo dois filhos desse matrimônio, Luiz Fernando e José Carlos, o primeiro deles advogado e aposentado como procurador do Ministério da Fazenda, e o segundo médico e professor titular de patologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Este, com 25 anos em 03/12/1972, foi vítima de um assalto que o deixou paraplégico, quando fazia residência médica na capital fluminense. Com licença especial, o casal foi ao Rio para acompanhar a reabilitação desse filho e como esta demorasse, Alcides teve de voltar para reassumir o cargo no Estado.
José Carlos Oliveira de Moraes ainda é jogador de basquete em cadeira de rodas, tendo participado das paraolimpíadas de 1986, em Atlanta nos Estados Unidos, e com Celso Lima, introduziu o tênis para cadeirantes no Brasil, em que se disputa anualmente um torneio de caráter nacional. E Alcides, aposentando-se em junho de 1976, retornou definitivamente ao Rio de Janeiro, onde se mantém exilado do nosso frio, apenas vindo a Pelotas na temporada de veraneio, sempre marcando religiosamente seu ponto no tradicional Café Aquarius. Cativando a todos com seu carisma, sua simpatia e memória privilegiada.

5 comentários:

EDEMAR ANNUSECK disse...

Grande Mestre José Alberto de Souza,
Que história maravilhosa que vc nos conta. É por isso que qdo. escrevo sobre o que o futebol foi e o que é, sinto saudades maiores da minha juventude. E não é só pelo futebol mas por tudo que se fez e por aquilo que nos dias de hoje não se faz. Parabéns por mais este brilhante resgate e homenagem que vc presta para quem marcou indelevelmente sua passagem pelo esporte maior de todos nós brasileiros.
Edemar Annuseck
São Paulo - SP

Douglas Marcelo Rambor disse...

Nossa, que histórico tem este legendário gaúcho Alcides Moraes, merece ser constantemente homenageado pois tem uma senda de feitos surpreendentes, além de ser uma lenda viva do nosso tradicional futebol das antigas.

Jorge Passos disse...

Muito importante esse resgate histórico de nosso futebol e deste fantástico arqueiro Alcides Moraes!

Unknown disse...

Noticiando o falecimento de Alcides Carlos de Moraes, no Rio de Janeiro, em 19/10/2013, sua nora Maria Moraes

Maria Moraes disse...

Noticiando o falecimento de Alcides Carlos de Moraes, no Rio de Janeiro, em 19/10/2013, sua nora Maria Moraes