sábado, 27 de outubro de 2007

Delírios oníricos


Ali estávamos, apenas tu e eu, quando inesperadamente no recinto foi introduzido
e colocado sobre pedestais um suntuoso esquife, logo depois os candelabros postavam-se de atalaia
e também duas poltronas com assento de palhinha que nos indicaram para sentar
e ficamos ali recebendo equivocadas condolências, enquanto uma névoa seca subia do chão ao teto
e aromáticas fragâncias impregnavam o ambiente, as pessoas chegando, demonstravam seu sentimento
e nós sempre impassíveis a representar os papéis que nos foram destinados: tu - o de prendada viúva
e eu, quem poderia conceber tão esdrúxula idéia? - o de primeiro pretendente!
Tendo em vista algumas mensagens que nos foram enviadas com críticas e apreciações sobre algumas postagens deste blog, solicitamos a todos aqueles que nos quiserem honrar com seus comentários para que o façam clicando no ícone abaixo disponível para esse fim.

2 comentários:

Kie disse...

Hoje, fui a uma belíssima abertura de um evento cultural onde apresentaram, em síntese, os acontecimentos dos últimos cinqüenta anos. Ao final, a pessoa maior da instituição, em breve discurso, disse, entre outras ciusas: “Aquele que nasce pequeno e sonha, cresce. E o pequeno que não sonha, permanecerá pequeno”.
É isso aí, Souzinha. Continua nos presenteando com os teus textos que são verdadeira poesia.
Grande abraço.
Kie

Kie disse...

No comentário acima, cometi um erro de digitação: no lugar de "ciusas", leia-se "coisas".
Kie