quinta-feira, 22 de outubro de 2015

TOMEI UM ITA E ME FUI LÁ PARA O NORDESTE


http://academiadeletrasdecrateus.blogspot.com.br/2015/10/o-aracati-no-sertao.html

PAPO LEGAL

As crônicas do poeta cearense Raimundo Cândido Teixeira Filho, ilustre cria dos sertões de Cratheús, são uma provocação a nos desafiar a vontade de prosear, sentado na calçada, jogando conversa fora.
Eis que ele acaba de pinçar uma inédita manifestação sertaneja no prolífero dicionário cearês - “a genial expressão “B.R.O brós” só para indicar os meses mais quentes do ano, de setembro a dezembro”.
Prosseguindo, arremata o período com uma sentença folclórica: “Dizem que o mundo, uma vez, findou-se com muita água e que, agora, vai se acabar é nas labaredas de fogo e o foco é no sertão cearense”.
Peço licença ao Professor pra me trasladar de cadeira e cuia até sua calçada e me sentar sem cerimônia alguma, aproveitando a brisa refrescante deste Aratiba amigo que surge em madrugadores mormaços.
Ah, se eu não falaria das estripulias de “El Niño” lá pelas bandas do Pacífico, causando esta tremenda bagunça que não deixa de ser sempre inversão de valores com inundação no Sul e seca no Nordeste.
Até proporia uma força tarefa de serafins bombeiros a fim de impelir essa nossa enxurrada a irrigar aquelas áridas terras do Agreste, combatendo as maléficas intenções do Capeta nesta fornalha acesa.
Para consolo desse nobre Vate, ainda relataria certa madrugada na praia de Tramandaí, em que alguns moradores do condomínio Quebra-Mar acomodaram seus colchões e ventiladores nos corredores externos.
Vixe, foi uma vez só, nem precisei aquecer água para o chimarrão, mas que me senti reencarnado nas profundezas ígneas, palavra que senti, duvidando existir qualquer calorão senegalesco mais intenso.
E você ainda fala de outro Aratiba desviando-se pelas esquinas desta cidade e revoludteando “santinhos” de mico leão dourado, onça pintada e garoupa que gerariam corrupção entre políticos e eleitores.
Parece-me, Mundinho, que os ventos se comunicam entre si, se não como explicar que o nosso Minuano venha compactuando com essa safadeza engendrada pelo manhoso Aratiba nestas tão longínquas paragens.


6 comentários:

Academia de Letras de Crateús - ALC disse...

Eh, poeta das águas doces, estamos conectados de qualquer jeito, pelo ar, pela terra, pelas circunstâncias e pela poesias. Daqui da Ribeira do Poti, aonde escaramuça a brisa do aracati, lhe mando um abraço, meu grande amigo!
Raimundo Cãndido

Pedro Correia disse...

Eta papo gostoso este! Abraço apertado ao amigo Poeta das Águas Doces.

Marco Aurélio Vasconcellos disse...

Magnífico esse teu texto, com leves pinceladas hilárias.
Achei uma preciosidade e tenho a convicção de que estás cada vez melhor.
Parabenizo-te pela qualidade do texto, num português fluente e rico.
Êta véinho que deu bom esse!
Abraço imenso.

Maria Kohut disse...

Eu me lembro bem do verão tão quente, nós também estávamos na praia.

EDEMAR ANNUSECK disse...

A Academia Brasileira de Letras aguarda a ambos. Torço por isso.
Saudações

Edemar Annuseck
Curitiba - PR

Guilherme Braga disse...

Concordo com o Marco Aurélio, amigo: estás cada vez melhor.